top of page

Patrocínio, esporte e racismo. Consequências e sugestões para resolver a intolerância .

Ao implementar ações e precauções contra o racismo e a intolerãncia , marcas e empresas patrocinadoras estão ajudando a criar um ambiente mais inclusivo e tolerante no mundo dos esportes. Até porque a solução não virá do outro lado.

Depois do crime de racismo e intolerância realizado contra o atleta do Real Madrid e Seleção Brasileira, Vinícius Jr., em uma partida oficial da La Liga (nome como é conhecido o campeonato espanho de futebol profissional) , muito foi falado, pouco foi discutido e nada prático foi realizado (pelo menos até o momento em que escrevi este artigo) para que se possa garantir o investimento de quem apoia , patrocina e em até certos casos, financia a realização de competições esportivas: Seus patrocinadores.


Abordando um tema de negócios e comunicação, diante de uma situação tão grave, um crime, não quero em momento algum diminuir ou tirar sua importância, que é gigantesca. Muito pelo contrário, acredito que depois desse caso, nada mais será como antes, pois a visibilidade e repercussão do mesmo estão sendo enormes e se "há males que vem para o bem", tenho certeza que este episódio é um desses, e que também será um divisor de águas em casos de racismo e intolerância como este. O estrago já está feito e não foi pequeno.


Nosso objetivo aqui é trazer a luz, alguns elementos importantes para a prevenção na relação de patrocínio entre marcas e esportes, principalmente no âmbito de competições esportivas, equipes e atletas em episódios de racismo e intolerãncia. Quando uma marca ou empresa decide patrocinar, equipes, atletas ou competições esportivas,os maiores riscos de se envolver e não ter uma política ou regras de proteção para casos de racismo ou intolerânciae são muitos, mas podemos destacar alguns mais importantes:


1. Responsabilidade social e considerações éticas: Na sociedade atual, os consumidores estão cada vez mais conscientes da responsabilidade social e da conduta ética das marcas. Patrocinar marcas que negligenciam prevenir ou abordar o racismo e a intolerância pode ser visto como cúmplice na perpetuação de comportamentos nocivos. Isso pode resultar em perda de confiança e credibilidade entre os consumidores socialmente conscientes.


2. Reputação e impactos na marca: Marcas e empresas patrocinadoras geralmente se alinham com times esportivos, atletas e competições que refletem seus valores e identidade. Se essas associações forem contaminadas por incidentes de racismo e intolerância, isso pode minar a mensagem central e o posicionamento da marca, criando uma desconexão com seu público-alvo e partes interessadas. Em tempos de aplicativos de comunicação digital e redes sociais, conteúdos viralizam rapidamente, causando indignação, revolta e uma grande percepção negativa do público em relação a marca, perda da confiança do consumidor e possíveis boicotes a compra de seus produtos ou serviços.


3. Perdas financeiras e consequências legais: Além do prejuízo direto com o investimento na propriedade de patrocínio que não irá gerar o retorno esperado , incidentes relacionados a racismo e intolerância, podem gerar mais perdas no campo financeiro , como valor de mercad, vendas e negócios futuros. A publicidade negativa e a reação do público podem afetar a fidelidade à marca, levando à diminuição no valor e atratividade das ações, receita e lucratividade. Ações judiciais podem surgir de indivíduos ou organizações afetadas, resultando em batalhas legais dispendiosas, multas e danos.


4. Ambiente interno e externo: Ao patrocinar e não prevenir ou tomar medidas punitivas a casos de racismo e intolerância, marcas e empresas patrocinadoras correm um grande risco de sofrer com repercussões negativas dentro de sua própria organização. O ambiente de trabalho perde com as quedas e perdas hjuyem seu clima organizacional, moral dos funcionários, desempenho, produtividade e até mesmo o aumento dos conflitos internos. Isso também pode prejudicar a capacidade da marca de atrair e reter os melhores talentos. Em relação ao mercado externo e parcerias com outras marcas, influenciadores e organizações, fica a percepção negligência em relação a incidentes de racismo e intolerância, podendo prejudicar as parcerias existentes e impedir futuras colaborações. Outras marcas podem hesitar em se associar a um patrocinador que é visto como tolerante ou promotor de comportamento discriminatório.


No sentido oposto ao risco, empresas e marcas patrocinadoras podem se proteger ativamente e prevenir casos de racismo e intolerância em seus patrocínios esportivos, mantendo sua reputação, estabilidade financeira, situação legal e valores de marca. Eles também tem a oportunidade dedemonstrar seu compromisso com a responsabilidade social e a conduta ética, promovendo relacionamentos positivos com consumidores, funcionários e partes interessadas.


Seguem algumas sugestões que marcas e empresas devem tomar ao patrocinar times, atletas ou competições esportivas para evitar casos de racismo e intolerância:


1 - Realize verificações completas de antecedentes: as marcas devem pesquisar o histórico e o histórico da equipe, atleta ou competição para garantir que não haja casos anteriores de racismo ou intolerância.


2. Promova diversidade e inclusão: as marcas devem priorizar parcerias com organizações, equipes e atletas que promovam ativamente a diversidade e a inclusão em suas práticas, dentro e fora do campo.


3. Estabeleça expectativas e valores claros: as marcas patrocinadoras devem comunicar claramente suas expectativas em relação à inclusão, igualdade e tolerância zero para racismo e intolerância às partes patrocinadas. Isso pode ser feito por meio de acordos escritos ou códigos de conduta.


4. Apoiar iniciativas de educação e conscientização: as marcas devem incentivar e apoiar iniciativas que promovam a educação e a conscientização sobre o racismo e a intolerância, tanto nas equipes ou competições patrocinadas quanto na comunidade em geral.


5. Forneça treinamento de sensibilidade: as marcas patrocinadoras podem oferecer sessões de treinamento de sensibilidade para atletas, equipes e organizadores de competições, garantindo que eles estejam equipados com o conhecimento e as habilidades para lidar com situações relacionadas ao racismo e à intolerância com sensibilidade.


6. Monitore a presença na mídia social: as marcas devem monitorar ativamente a presença na mídia social dos atletas, equipes ou competições patrocinadas para garantir que seu comportamento online esteja alinhado com os valores da marca e não promova racismo ou intolerância.


7. Envolva-se em um diálogo contínuo: As marcas patrocinadoras devem manter linhas de comunicação abertas com as partes patrocinadas, promovendo um ambiente em que preocupações ou incidentes relacionados a racismo e intolerância possam ser tratados de maneira rápida e eficaz.


8. Tome medidas imediatas sobre incidentes relatados: se ocorrer algum incidente de racismo ou intolerância, as marcas patrocinadoras devem ter um protocolo claro para resolver o problema imediatamente. Isso pode incluir conduzir investigações, emitir declarações e tomar as medidas disciplinares apropriadas.


9. Use o patrocínio como uma plataforma para mudanças positivas: as marcas patrocinadoras podem utilizar ativamente suas plataformas de patrocínio para promover mensagens anti-racismo e inclusão, incentivando fãs e público a abraçar a diversidade e o respeito.


10. Revise e reavalie regularmente as parcerias: as marcas devem revisar periodicamente suas parcerias de patrocínio para garantir que as equipes, atletas ou competições patrocinadas continuem alinhadas com seus valores e mantenham o compromisso de combater o racismo e a intolerância.


Adauto Gudin é CEO, Diretor Executivo da Patrocínio BRasil

91 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

留言


bottom of page